terça-feira, 5 de abril de 2011

Esta aventura que é viver

A vida é uma passagem. Tudo que construirmos e conquistarmos aqui ficará, talvez esquecido, na memória de alguns. Mas temos a oportunidade de fazer a diferença, de deixar a nossa marca. Nós erramos, amamos, sofremos, sorrimos e choramos. Nos emocionamos com coisas simples, mas que para nós são completamente complexas, de um jeito simples.
Viver não é fácil, a vida é cheia de obstáculos. Só que são esses obstáculos, essas barreiras, que nos fazem seguir em frente. Eles não nos deixam ficar parados, ridiculamente, como se estivessemos perdidos no meio do caminho, no meio dessa trilha que é a vida.
Viver e não ter vergonha de ser feliz. A felicidade não se compra, mas se conquista. Com o suor do amor. Amor.  Uma palavra forte mas que serve de apoio nos momentos difícies. É difícil dizer "te amo". Feliz aquele que consegue dizer essas duas palavras aos quatro ventos. Mas o mais difícil é dizer para si mesmo. Assim como amamos os outros devemos nos amar. Falta de amor próprio é deprimente.
Viva feliz e aproveite cada momento único dessa aventura, transforme sua vida em uma aventura. Se você não vive feliz é hora de se analisar, e pensar no que te faz mal. Viva naturalmente, não viva atrás de máscaras, mostre quem você é, não necessáriamente para os outros, mas principalmente para você mesmo. Se aceite, você é assim. Não culpe Deus, ou ninguém mais, pelo contrário, agradeça. Agradeça por sua vida, por sua saúde, por sua família.
Ame os outros, mas ame-se antes de tudo.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Gays, escalando seu lugar ao sol!

Bem, faz DÉCADAS que eu não passo por aqui, por isso tenho que voltar a ativa, então here we go!
Chris Colfer é Kurt em Glee. Estilo, brilho e Madonna, sempre Madonna!
Nesse post, como eu estou preparando o próximo - que narrará a minha, bem, não só minha, incrível aventura na estreia de HP 7 -, não sei bem do que falar, e como preciso escrever uma matéria sobre o boom gay nos seriados americanos, vou comentá-lo por aqui
Voltando... vocês perceberam como os gays estão em alta ultimamente? Claro que não tanto quanto os vampiros ou os zumbis, mas eles chegaram, ou melhor, voltaram com tudo. Glee, Modern Family, True Blood (que deve ter se dado bem, misturou os dois temas num só), todos estes nos mostram pelo menos uma figura gay, temos Kurt, o casal Mitchell e Cameron, e os seis personagens gays de True Blood. Claros que muitos são estereótipos, nunca mostram a figura real, uma pena, pois é um personagem que tem muito a ser explorar.
Temos que lembrar também dos seriados antigos que abordavam o mesmo assunto: Will & Grace e Dawnson's Creek. Dois clássicos que abordavam dois lados diferentes. Um, era o gay enfeminado, aquele que é a "dancing queen", enquanto o outro era aquele que tenta esconder a opção, ou melhor, que nega e que na verdade não tem certeza. Ambas são de 1998, e ambas tratavam de dois casos esteriotipados de gays. Hoje houve uma atualização de tal personagem (uma pequena influência de Teoria), ele se adapta a questões atuais, e mais reais. Um guri que tenta se aceitar, assume que é gay, e que entra em conflito com o pai, ao mesmo tempo que é um esteriótipo: ama musicais, é afeminado, se veste de maneira feminina, etc.
Mas seja como for, os gays estão ganhando um importante espaço no meio de mídia mais importante por enquanto, a televisão. Os gays têm forte importância para a economia, e movimentam, além do dinheiro, a audiência, a moda (eles normalmente são SUPER estilosos) - bom, acho que esses estão bem ligados com o dinheiro - mas principalmente, eles chamam a atenção de todos, não importa a opção sexual, a situação social, entre outros fatores. Os gays estão chegando com cada vez mais força, e assim estão conquistando seu suado lugar ao sol.

PS: Obrigado Tati Contreiras, que me cedeu uma ÓTIMA entrevista!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

COMO SE TORNAR UM BOM VILÃO - O MANUAL.

Vilões, vilões, vilões. No post anterior já expliquei um pouco da minha obsessão por vilões, e que eles, na verdade, são a "alma" de toda a obra - seja ela HQ, filme, livro, vida. Mas, como vocês devem bem saber, ou não, não é qualquer pessoa que pode ser um bom vilão. Existem alguns pré-requisitos básicos, na minha opinião, e aqui estão eles:


 

  1. Precisa ter um nome legal, e assustador de preferêcia. Não pode simplesmente se chamar "Malvacos", porque não iria pegar. Ninguém iria dizer: 'Ó não, o Malvacos atacou novamente, o que iremos fazer, quem irá nos salvar?'.
  2. Precisa ser maníaco, ter sérios problemas psicológicos. Não basta querer a dominação mundial somente, não se ter medo de fazer uso de artimanhas loucas e bizarras e não convencionais. Ninguém temerá (nossa, falei bonito) uma arma de água que solta vapor quente, mas quem não terá medo de uma arma de água repleta de ácido sulfúrico que solta vapor quente e fogo, OMG! 
  3. Precisa ter armas super legais. Como no item acima, nada de coisas previsíveis como uma bazuca, ou uma metralhadora, ou um super Megazord, isso tudo é sinônimo do boring! É preciso coisas que realmente marcam as vidas das pessoas, como uma bomba caseira repleta de outras bombinhas que explodirá e atingirá metade de Manhattam! MUAHAHAHA (isso era para ser uma risada maligna). 
  4. Precisa ter uma roupa legal. Nada de mantas e roupinhas comuns. Pode usar e abusar da sua loucura. Utilize um terno roxo e verde por exemplo! Ninguém sentirá medo de alguém com uma camisa manchada de mostarda e calças jeans. Tenha estilo, por favor. AH! Garotas, vocês poderiam fazer a gentileza de UTILIZAR ROUPAS DE COURO SUPER APERTADA! Muito obrigado. 
  5. Precisa ter um inimigo. Não o Rex, o cachorro da vizinha, ou o menininho mau da escola. É preciso ter um verdadeiro inimigo, o super heroi, ou seja: aquele que todos acham "o" fodão!
  6. Precisa usar uma máscara. É sempre bom proteger sua identidade. Se bem que as vezes é legal mostrar ao mundo quem você realmente é. 
  7. Precisa ter um esconderijo SECRETO. Não caia na bobeira de contar para alguém onde você fica, sempre dá errado. Olhe o Batman (tudo bem, isso foi um erro de heroi). E por favor, mantenha tudo arrumado e limpo, tenho mania de limpeza! 
  8. Tenha uma voz estranha. Sei lá isso ajuda no personagem e fica mais legal. 
  9. Seja cínico. Não sei, faz todo o sentido. 
  10. Tenha disfarces. Irá ajudar muito na hora de atacar alguém ou algum lugar. Não, isso é mais para personagem em quadrinho, me desculpe. Mas se você quiser, tudo bem, não julgo ninguém. Só não saia de Carmem Miranda por aí, OK? 
  11. E por fim, mas não menos importante! Na verdade não me lembro de outro item.
Esses itens são regras e não leis, então pode haver excessões. Mas algo que é preciso para ser um vilão é ter criatividade. Não tenha medo da criatividade! Se você, vilãO, homem, quiser sair com uma calcinha de renda fio-dental rosa por cima da calça, tudo bem. Claro que te apelidarão de "Homem-calcinha", mas se você se sentir bem.
Nada é fora de moda! Se hoje tem gente que sai nas ruas com calças super apertadas e de cores fluorescentes ou até mesmo camisas gola V que mostram até o umbigo (umbigo, embigo, buraquinho que fica na barriga, como você preferir). Quem sabe você não cria a próxima moda do verão?


 
OBS: Não me resposabilizo se alguém utilizar uma dessas regras na vida real, nem por atos baseados em algum desses itens. Afinal, foi apenas um pirado (eu) que resolveu escrever isso. Muito obrigado.
OBS2: Se você for um agente secreto da CIA, ou do FBI, ou de qualquer outra dessas agências, por favor, não me leve preso. Minhas ideias são puramente malucas!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Why love villains?

Mulher Gato, Coringa, Lex Luthor, Lord Voldemort, Charada, Magneto, Mística, Hera Venenosa, Pinguim, etc. Essas são uns dos vilões mais conhecidos. A maioria são dos quadrinhos e de livros, mas muitos já foram adaptados para o cinema ou televisão. Os vilões, na minha opinião, são os verdadeiros merecedores do reconhecimento público. Pessoal, eles são aqueles que passam a maior parte do tempo, e da vida, bolando planos mirabolantes para - se não for para conquistar o mundo - detonar com os chatinhos dos super-heróis (não sei se tem hífen ou não).


Desde os vilões da Disney, mortos de forma tão horrível, até o mais doente vilão, o Coringa, os vilões são aqueles que dão emoção, ação e alma à trama. Porque dúvido se alguém leria, ou assistiria, um quadrinho, ou filme, se não houvesse um vilãozinho se quer para na história. Só haveria uma edição e seria um completa fracasso. Imagine: o Super-Homem acorda, ele não tem nada para fazer, então vai dar uma voltinha. No caminho salva duas pessoas que estavam se afogando, pega um avião que estava caindo, e ajuda duas velhinhas que foram assaltadas - OPS! Isso não é possível porque NÃO HÁ VILÕES! Uma palavra resume isso: BORING!


Se assim fosse, o Batman seria casado com uma mulher qualquer, teria filhos e seria um playboy mimado (ok, foi redundante) e sua empresa faliria, pois ele com certeza não teria capacidade para administrá-la. A Mulher-Maravilha, se não virasse lésbica, seria uma dona de casa decadente, com uma penca de filhos e praticaria esportes incessantemente. O Flash se daria bem, ganharia muito dinherio correndo nas Olimpíadas, e só. O Lanterna Verde nem viria à Terra, ficaria naquele outro planeta e seria MUITO mais (in)feliz. Ou seja, a maioria iria chegar ao fundo do poço.


Já se fosse ao contrário, os vilões exitissem sem os heróis, eu lhes digo, ELES SE DARIAM BEM! Pois não há vilão careta, vilão não pode ser careta. Vilões pensam grandes. Eles não têm medo de nada! E como já dizia o Coringa: "Why so serious?".



PS: Vocês não devem saber, mas eu amo vilões O.o! Mas prefiro as vilãs, que, por sinal, DEVEM ser sexy!





quarta-feira, 18 de agosto de 2010

"DOES THIS COUNT AS ANNOYING?"


Dia 14, sábado, assisti uma das animações mais divertidas desse ano. Além de tratar de uma pessoa que me excita - no bom sentido - só de pensar (não, não é a Dani Calabresa), e na verdade são pessoaS, os vilões, o filme trás várias cenas engraçadas e divertidas, e que atingem tanto as crianças quanto os adultos.

"Meu Malvado Favorito" (Despicable Me, 2010) trás o malvado Gru, dublado originalmente por Steve Carrel, que precisa tornar-se 'O' vilão, depois que um novo malvadão surge no pedaço, Vetor, dublado por Jason Segel. Velho, barrigudo e com um nariz enorme, Gru tem a brilhante ideia de roubar a Lua, baseado em seus desejos infântis. Assim, com a "ajuda" de três menininhas, Margot, Edith e Agnes, e dos Minions, ele vai descobrir que não é preciso a maldade para prencher seu vazio, um pouco de amor já é o suficiente.

Há também as cenas 'ridículas', como aquela com a pirâmide roubada coberta com um manto pintado como o céu.

Com personagens ricos, como Agnes, que traduz o que, não toda, mas a maioria da crianças é, doce, meiga, ama brinquedos e unicórnios, e acredita que todos têm um lado bom, o filme nos faz chorar, tanto de rir como de chorar mesmo também.

Algumas das melhores cenas incluem essa criança que consegue tocar a todos que já tiveram uma infância. (Final clichê esse!)






video



quarta-feira, 30 de junho de 2010

SENTIMENTOS

Eu realmente nunca havia falado com ninguém sobre o que eu senti e vivi ao ver que não havia passado em nenhum vestibular. Acho que só quem passou pela mesmo experiência vai conseguir entender realmente o quão difícil é.
Há várias palavras para definir esse sentimento: vergonha; humilhação; raiva; tristeza;... e a lista continua. Mas, no meu caso posso dizer que, talvez, tenha sido depressão. É uma palavra forte, certamente, e não é bem ela que quero usar. Como posso definir, porém, algo que me fez não ter vontade de falar com as pessoas, de querer ficar em casa, e ainda mais, de chorar todas as noites por desprezo a mim próprio. Quem me conhece sabe que isso não é meu tipo.
Alguns pensam que eu estou overreacting, mas essas pessoas não passaram por isso. Não sabem o que é se sentir incapaz de fazer aquilo que você considerava realizar de "olhos vendados" e falhar em algo que você se preparou o ano inteiro! Tenho colegas que talvez se identifiquem com isso, ou não. Mas precisava expressar isso. Depressão: com certeza essa palavra não cabe aqui.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

MOMENTOS DA VIDA!


Alguns dias podem estar completamente de "cabeça para baixo". Algumas vezes precisamos nos afastarmos da realidade para podermos pensar com clareza. Não só pensar, mas também refletir, chorar, e, obviamente, rir. É necessário deixar nossas mentes respirarem, deixar com que elas descansem.

Não há momento exato para essas recaídas acontecerem. Pode ser enquanto você almoça sozinho enquanto assiste TVZ; quando você chega em casa e percebe o quão chato você foi com seus colegas na faculdade; e a lista continua.

Porém, podemos dizer que há uma cura, ou um momento bom, porque para esses dias não há nada melhor do que colocar aquela música "pensante", também vale aquela que desperta a criança interior. Muito mais que isso, aquela que ascende a felicidade dentro de você, e assim você dá um sorrisinho e pensa: "Minha vida é ótima, e vale a pena vive-la"!

Com minhas experiências digo-lhes que não há nada melhor do que chorar por ser feliz. E por isso sou grato e repito, minha família é linda, meus amigos são lindos, e todos que eu amo sei que também me amam e estão orando por mim. E sempre abro os braços a Deus e agradeço.


Por isso sou grato! Amo, sempre amarei, e nunca deixarei de amar!


Dedicado para meu pai, Renato, que está de aniversário hoje. Te amo, e sempre amarei!


PS: Recomendo ler esse post escutando essas músicas: "When I look at you" - Miley Cirus ou "Halo" - Beyoncé.